• Ana Carina Nunes

Consciência Alimentar e Cozinha Nutricional


E hoje nas minhas deambulações pelos mercados e feiras aqui por Almada, fui assistir a um "showcooking" do NutriChef Duarte Alves, que para além de ter feito 3 deliciosas receitas de doces sem culpa falou sobre consciência alimentar e nutrição funcional. Segundo ele, ter saúde depende em 70% da nossa responsabilidade em nos nutrirmos e alimentarmos de forma consciente. Com a constante falta de tempo das pessoas e praticidade dos alimentos industrializados, acabamos por diminuir a quantidade de alimentos frescos da alimentação e aumentar a quantidade de alimentos industrializados, muitas vezes mais práticos porém, nada saudáveis. O contato com o alimento fresco é importante para que não deixemos de lado o que aprendemos sobre novos sabores e combinações, além disso é interessante saber de onde vêm os alimentos e como eles são em sua versão in natura. Explicou que a natureza é sabia que os alimentos são parecidos com cada um dos nossos órgãos internos que protegem, como por exemplo: as amêndoas são ricas em cálcio e fazem bem aos olhos porque tem o seu formato, os feijões aos rins, batata doce ao pancreas pois regula a absorção de aguçares, bagos de romã com os glóbulos brancos pois ajudam a aumentar a imunidade, abacate com o utero e ajuda na normalização reprodutiva pois é rico em ácido fólico, cogumelo e orelha pois tem micronutrientes que ajudam na melhoria da audição, figos com os testículos pois sabe-se que os constituintes deste fruto têm a capacidade de aumentar a mobilidade e o numero do esperma masculino, a banana e o sorriso é constituída por um aminoácido o triptófano que ajuda a sintetizar a serotonina, entre muitos outros.

Mencionou que a nossa relação com a comida sofreu enorme perturbação nas últimas décadas. Comemos, cada vez mais, de forma “externalizada” – comer tornou-se um ato desconectado dos sinais de fome e saciedade, que deveriam regulá-lo. Perdemos a capacidade de saborear os alimentos, de saber a hora de parar de comer, de saber quando se tem fome, de escolher os alimentos por livre e espontânea vontade e com prazer. Deixamos de lado o saber próprio, de cada um de nós, adquirido ao longo da vida na experiência pessoal e diária que temos com o comer e com a comida. Substituímos esse saber por indicadores científicos ou pseudo científicos. Falou de um saber simples e intuitivo, um saber que vem sendo descuidado sobre quais as comidas nos fazem bem, de quais não devemos abusar, em quais horários comer, como percebemos a fome em nós, por exemplo.

A alimentação consciente significa estar presente, atento e alerta ao aqui e agora, consciente de seu corpo, de suas emoções, de suas sensações e pensamentos, sem, no entanto, se apegar a essas emoções e pensamentos. Implica perceber seu corpo como um observador atento, paciente e amoroso, sem fazer julgamentos ou críticas, sem comparar seu corpo com outros, aceitando-o como está agora e observando e aprendendo com cada experiência. Os alimentos podem curar ou adoecer nosso corpo ou nossa mente. Ás vezes os efeitos não são imediatos, acontecem mais a frente, e muitas vezes as pessoas não conseguem relacioná-los. Comer saudavelmente implica uma série de recomendações…. nada impossível de se fazer.

Até há bem pouco tempo, os nossos pais, avós ou nós mesmos, dependendo da idade e/ou região em que vivemos, tivemos a oportunidade de seguir muitas das recomendações. Hoje, por questões de “praticidade”, apelo do marketing e desejo de consumo de artigos diferentes, passamos a consumir alimentos nada saudáveis para o nosso organismo. Para ter uma alimentação saudável devemos primeiramente saber escolhemos os ossos alimentos. O momento da ida ao supermercado é fundamental para iniciarmos uma dieta saudável. O ideal é resumir-se ao setor de cereais, frutas e verduras frescas preferencialmente biológicas, produzidas sem nenhum tipo de agrotóxico ou pesticida. A ingestão de alimentos enlatados (ervilhas, milhos, salsichas, creme de leite…), embalados (biscoitos, pães, molhos, sumos de fruta embalados, leites…), processados (queijos, hamburgueres, embutidos, nuggets, etc…), congelados (lasanhas, pizzas, quiches…) são contra indicados, assim como refrigerantes, óleos refinados, açúcar branco refinado, adoçantes, deve ser evitada ou suprimida.

Há alguns anos (40 anos atrás) não existia a variedade de produtos industrializados que hoje vemos nas prateleiras do supermercado. Estes produtos contém diversos aditivos e conservantes químicos, açúcares que se repetem em cada embalagem. Com isso, quando nos permitimos consumi-los livremente, saturamos nosso corpo com tais substâncias químicas, que muitas vezes nem mesmo os médicos ou cientistas sabem os verdadeiros efeitos maléficos gerados em nossa saúde.

Sendo assim, nosso organismo passa a ficar intoxicado. Por exemplo, de manhã tomamos um leite de caixinha longa vida com açúcar refinado, acompanhado de pão de forma, peito de peru e margarina. Todos estes ítens tiveram alguma substância adicionada em sua produção para terem uma durabilidade, consistência e aparência melhor/maior mas estão contaminados com produtos químicos altamente cancerígenos além de causarem diabetes, colesterol e hipertensão; e não confie nos rótulos, pois não existem milagres. Se pararmos para pensar, o mesmo se repete no almoço e no jantar. Com o decorrer dos anos vários órgãos ficam saturados e exaustos do constante trabalho de eliminar essas toxinas.

A Consciência Alimentar é um poderoso instrumento para a manutenção da boa saúde e também para quem quer perder ou ganhar peso. Ela é um “farol” que já existe dentro de nós. Só precisamos despertá-la. Vamos usá-la para iluminar a nossa vida a cada momento; Desta forma, vamos encontrar o verdadeiro sabor da vida. Isso não vai nos ajudar sómente a conquistar o bem estar físico – vai trazer à superfície a compreensão da riqueza e abundância da vida.

A dieta adequada – um dos principais pilares da boa saúde – depende dessa compreensão. Tudo o que somos é o resultado da síntese dos alimentos físicos e/ou energéticos que ingerimos. Eles fornecem para o organismo o material necessário para o processo metabólico que nutre a vida. São os melhores medicamentos. Quando são adequados para o nosso corpo e devidamente digeridos, contribuem para nos tornar saudáveis. Quando a dieta não é compatível com a nossa constituição individual, sofremos de desequilíbrios físicos e psicológicos. Nossa saúde, nosso peso ideal, nossa estabilidade emocional, nossa acuidade mental e nosso bem estar geral dependem do que conseguimos e do que não conseguimos digerir.

Mas, tão importante quanto a quantidade e a qualidade dos alimentos que ingerimos é o “porque” da nossa alimentação. Pense que tudo o que voce consome passa pelas suas células gerando benefícios ou malefícios. Assim como um alimento tem vários componentes para gerar determinado efeito,a combinação correta de nutrientes e ingredientes de uma receita também é necessária.

Além disso a combinação e a dose certa de temperos e especiarias pode determinar o sucesso de uma receita e do benefício que ela traz. Muitas vezes contém muito mais nutrientes que os outros ingredientes. São poderosos antiinflamatórios, antioxidantes, calmantes, estimulantes, antibióticos, cicatrizantes, anticancerígeno. A combinação de um ou mais temperos ou especiarias pode potencializar e aumentar a absorção da receita toda. Especiarias como a canela, que é um potente anti-inflamatório; a cúrcuma, um dos maiores anticancerígeno naturais, quando combinada com pimenta do reino, aumenta em mil vezes o efeito; o gengibre, o rei das raizes mágicas, pois retarda a absorção dos açúcares e amidos, dá saciedade e ajuda a queima de gordura; quando combinado com a canela, os dois ficam muito biodisponíveis e suas propriedades ficam potencializadas. para além disto sabia que a maneira de cozinhar é mais importante do que a própria comida? Nem mais, nem menos. No entanto, é uma questão que tem passado despercebida. Geralmente, a dieta e a nutrição concentram-se em quanto e o que comer, mas não tanto em como consumimos alimentos. E sabemos que a maneira de cozinhar pode afetar muito claramente o valor nutricional. Actualmente existem técnicas culinárias que a ajudam a preservar as vitaminas, os antioxidantes e os sais minerais, ao mesmo tempo que preservam todo o prazer que deve tirar de uma refeição. Mas atenção, serve de pouco cozinhar com pouca gordura e depois temperar com gordura em demasia! Uma colher de óleo parece ser a dose certa para cozinhar com menor teor de gordura. Já a técnica de cozinhar a vapor é rápida e ajuda a preservar os nutrientes essenciais dos alimentos.Minerais e vitaminas do grupo B e vitamina C são solúveis em água, ou seja, dissolvem-se em água. Portanto, se cozinharmos vegetais como espinafre ou brócolos e, em seguida, deitarmos a água fora, perdemos uma boa quantidade desses nutrientes.

Numa época em que nos alimentamos com tão pouca qualidade nutricional, pouco tempo, pouca atenção e muitas vezes pouco ou nenhum envolvimento, negligenciando a Terra que nos dá o alimento bem como a nutrição em prol da estética; torna-se urgente reclamar a dimensão plena da cozinha enquanto prática espiritual, nutricional e terapêutica. Somos o que comemos e a forma como comemos define como e com que qualidade vivemos e nos relacionamos. Comer, é mais do que ingerir e nutrir-se é maior do que apenas comer. Mas desengana-se quem achar que comer de forma saudável e consciente é pouco interessante. Pensem nisto e façam as vossas escolhas inteligentes sobre o que comem e como comem :)

#conscienciaalimentar #alimentação #cozinhanutricional

0 visualização

© 2017 por Saudavel-mente

Todos os direitos reservados 

Site criado pela Wix.com

  • Facebook Clean Grey
  • Instagram Clean Grey