• Ana Carina Nunes

Procrastinar


Conhece alguém que sabe o que tem que fazer, mas… deixa para fazer daqui a pouco? Conhece alguém que diz “já já eu vou” ou “já já eu faço”? O procrastinador diz sempre que não tem tempo suficiente para realizar as suas atividades, mas todos nós temos 24h e precisamos de saber fazer uso dessas horas da melhor maneira. As distrações existem e vão aparecer no nosso caminho! O ambiente de trabalho cria necessidades que induzem mudanças nos hábitos e na produtividade.

Mas afinal o que é procrastinar? Será que é possível acabar com a procrastinação?

Apesar da palavra parecer um trava língua, o seu significado é bem simples: procrastinação, do latim procrastinus, que se refere a ação de adiar, de deixar para amanhã, de postergar. Diferente de se ter preguiça para fazer algo, na procrastinação existe a vontade de querer fazer, mas alguns fatores não deixam que isso aconteça. Imagine aquele dia cheio de tarefas que sempre parecem urgentes e o fazem perder o foco no que realmente é importante? A verdade é que este hábito de procrastinar não tem apenas efeitos negativos por nos fazer passar por períodos de stress e ansiedade desnecessários, é também um hábito que nos puxa para trás e em muitos casos nos impede de viver a vida que gostaríamos e de alcançar os nossos objetivos.

Todos nós sabemos que o resultado final da procrastinação – aquela sensação de pânico, ansiedade e exaustão absoluta – é tudo menos desejável, mas a injeção de prazer de curto prazo que ela proporciona nos leva a procrastinar sempre mais uma vez. Essa "injeção" é uma pequena dose de dopamina que percorre o cérebro – uma recompensa química prazerosa inspirada por aquele vídeo de um gato, aquele questionário de personalidade ou um joguinho de rebentar peças, irrelevante para sua vida mas tão divertido. O fato é que quando temos duas opções, uma que te causa prazer e a outra “obrigatória”, as hipóteses de escolhermos a que dará prazer imediato, são bem mais altas. A questão é perguntar a si mesmo o porquê de fazer a obrigatória é tão importante. Questione qual será o custo de não fazer agora e deixar para depois. Ou se vale a pena o prazer e depois a dor de cabeça, por não ter feito o que era necessário? Deixe claro para si mesmo as consequências nas duas opções, mas lembre-se, são consequências a curto, médio e longo prazo. Porque muitas vezes esquecemos-nos que algo que procrastinamos agora, faz uma diferença enorme no futuro. Quando entendemos o real motivo pelo qual precisamos fazer determinada ação, sabemos as dores que teremos se não fizermos e descobrimos um prazer em fazer essa tarefa no tempo em que ela precisa ser feita, irá potencializar a hipótese de parar de procrastinar e entrar em ação.

Trezentos anos atrás, o poeta inglês Edward Young escreveu que "procrastinar é roubar o tempo". O ditado popular tão sábio “Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje” porque amanhã podes já não cá estar ou podes ter outras coisas para fazer também é muitas vezes retorquido. Apesar disto soar muito profundo, eu nunca fui capaz de imaginar como isto funcionava, porque na realidade, para mim, procrastinar sempre me pareceu fazer perder mais tempo! Procrastinar pode ser ou não um ladrão do tempo, mas certamente rouba-me a paz de espírito! Para mim adiar alguma coisa exige muita energia mental. Há pessoas que dizem que trabalham melhor sobre pressão, e por causa disso, a procrastinação é, segundo eles, uma coisa positiva. Não sei bem quanto a isto...para mim não me faz qualquer sentido.

Quais são as causas?

Antes de parar é importante que perceba o que é a procrastinação. Ao contrário do que se possa pensar, não é preguiça nem a decisão de tirar algumas horas do dia para fazer coisas de que realmente gostamos ou simplesmente para não fazermos absolutamente nada. Não!

A procrastinação está associada à intenção de evitar um desconforto emocional. É uma atitude que temos perante tarefas que sabemos que não serão prazerosas, que nos causam aborrecimento, frustração, sentimentos de rejeição, dúvida, medo, ansiedade… e por isso tentamos adiá-las o máximo possível, na tentativa de evitar esses sentimentos.

Um dos mais completos estudos sobre o assunto, chamado "The nature of procrastination: A meta-analytic and theoretical review of quintessential self-regulatory failure", foi publicado em 2007 pelo Dr. Piers Steel, professor de comportamento organizacional da Universidade de Calgary.

Mas as razões possuem raízes ocultas na nossa experiência e a única forma de mapeá-las é por meio da auto-observação.

Tipicamente os motivos que as pessoas evocam para procrastinar são:

  • Trabalho melhor sob pressão;

  • Estou a espera da inspiração chegar;

  • Só faço as coisas quando tenho vontade;

  • Tenho tanta coisa mais interessante para fazer;

  • Tenho ainda tempo, se eu trabalhar no final de semana.

Mas na verdade as pessoas procrastinão porque:

  • Não sabem organizar-se;

  • Não têm foco;

  • Estão desmotivadas;

  • A tarefa é desagradável;

  • Não sabem o que querem;

  • Têm mania da perfeição.

A procrastinação muitas das vezes é uma estratégia que utilizamos para nos proteger de sentimentos desconfortáveis ou evitar realizar tarefas desagradáveis. Estes sentimentos e tarefas desagradáveis podem estar relacionadas à uma variedade de razões, incluindo:

  • Medo do fracasso.

  • Medo do (in)sucesso.

  • Desejo de perfeccionismo.

  • Necessidade de ter controlo nas nossas vidas.

Isso acontece quando chegamos a prejudicar nossa saúde e impedir uma possível melhora em nossa qualidade de vida. Procrastinar pode nos levar a repensar nossa eficiência, nossa autoestima, nossa produtividade, o que pode resultar em falta de motivação em por causa da frustração por não conseguir finalizar aquilo que planeja.

Como podemos evitar? Métodos simples e eficientes

Primeiro passo no combate à procrastinação é compreender as razões pelas quais procrastina. Somos motivados por recompensa, real ou imaginária, e antes de descobrir que recompensa o motiva não será capaz de eliminar este hábito de procrastinar.

Mas

  • To-do Lists: Faça uma lista de tarefas e planeie minimamente a sua ordem antes de começar; mas além de fazer a listinha é preciso ir cumprindo as tarefas para ir riscando da lista o que já foi feito; Isso dá um ânimo extra para conseguir fazer tudo o que precisa em tempo útil;

  • Divida a tarefa por partes (técnica Pomodoro): Por vezes a tarefa pode parecer tão grande e complicada que nem se sabe por onde começar. Nesse caso a melhor estratégia para não deixar para amanhã o que pode ser feito hoje é dividir a tarefa por partes. Eu uso a técnica de 25min/5min para conseguir realizar as tarefas com o máximo de foco possível;

  • Planeie e registe tudo numa Agenda: Tente marcar tudo na sua agenda para ter uma visão clara de todas as coisas que tem que fazer ainda que sejam menores; Inclua igualmente o tempo para pausas e para dar uma espreitadela nas redes sociais durante 5 min, mas depois volte ao seu trabalho;

  • Remova qualquer tipo de distração: A pior coisa que existe é estar sempe a distrair-se para ver as redes sociais, conversar no whatsapp entre outras distrações muito presentes no nosso dia a dia. Elimine todas elas, e tenha foco total no seu trabalho lembre-se que é a sua eficiência que está em jogo.

  • Faça primeiro o mais importante: No clássico livro "Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes", Stephen Covey lista como um dos principais o hábito de fazer primeiro o mais importante. Isto tem uma explicação científica e está relacionado com a força de vontade; Embora muita gente ache que deve basear os seus processos de mudança na força de vontade, a verdade provada estudo após estudo é que a força de vontade é um recurso limitado, que se gasta ao longo do dia; Tarefas urgentes são tarefas importantes que não priorizou no devido tempo, não deu atenção e assim elas se tornaram urgentes e em alguns casos até emergências; Aprenda a classificar as tarefas por ordem de importância, e realize o que for de primeira necessidade primeiro.

  • Eficiência versus eficácia: Um dos maiores especialistas em gestão de tempo, Peter Drucker, afirmou que: "Fazer a coisa certa é eficácia, fazer as coisas direito é eficiência"; Concentre-se primeiro na eficácia (identifique o que é a coisa certa a fazer) para em seguida, concentrar-se na eficiência (fazer bem a coisa certa).

  • Faça uma coisa de cada vez: Esse é um erro muito comum, querer fazer tudo de uma vez para ganhar tempo, mas já percebeu quando temos muitas coisas para fazer, acabamos não fazendo nada bem feito e concluído com sucesso? Priorize as tarefas e faça até ao fim uma coisa de cada vez, sem desespero.

  • Esquecça a disciplina e foque-se nos hábitos: é preciso disciplina para formar um hábito, mas depois que ele está formado, as coisas entram em uma espécie de piloto automático; Quando não há mais para decidir, não há como procrastinar! Essa é a mágica dos hábitos; O segredo é escolher o hábito certo e reunir disciplina suficiente para estabelecê-lo; Procure estabelecer rotinas e hábitos para me ajudar a realizar as minhas tarefas. Por exemplo, definir os dias de exercício físico, na minha agenda;

  • Tire muitas Notas: Anoto todas as reuniões no OneNote ou no Google Keep e isso ajuda-me a memorizar o que aconteceu na reunião e também me ajuda a relembrar o que eu preciso fazer de seguida; Quando não tenho PC ou telemóvel tenho também na minha mala um caderninho tipo Moleskine que levo para todo lado onde anoto tudo o que posso para não me esquecer de nada!

  • Evite a Miopia Temporal: O futuro é abstrato, impessoal e nem sempre é garantido, já o presente está aqui bem na nossa frente; o nosso foco está em objetivos mais imediatos (prazeres) quando deveria estar nos mais distantes (melhores escolhas); A melhor técnica para evitar a Miopia Temporal é traçar metas que tragam o futuro para mais perto do presente, pois só assim conseguimos equilibrar a luta entre dor e prazer.

Mas a grande maioria das estratégias para superar a procrastinação não são funcionais, pelo contrário, são apenas superficiais e promovem uma falsa ilusão de que esse hábito pode ser resolvido. Assim é importante também conhecer-se a si mesmo. Considere o período (manhã, tarde, noite) em que melhor funciona e a forma como prefere realizar algumas coisas. Por exemplo, é uma pessoa noturna? Poderá inserir nesse período nas suas rotinas que tanto deseja ter de estudar inglês? Prefere trabalhar com música ou em silêncio? Já parou para pensar na modalidade de exercício que mais lhe agrada? Prefere o ambiente de um ginásio, ou exercícios ao ar livre? Prefere musculação, ou exercícios funcionais? Prefere fazer exercícios sozinho ou acompanhado? Em silêncio, conversando ou ouvindo música?

O que devemos ter como um aliado também é a motivação. Motivação é o que dá movimento, que nos leva na direção do que queremos e por isso é fundamental para o vencer a procrastinação. Conhecer os fatores que o estimulam pode fazer que suas tarefas sejam mais leves e fáceis.

Estas são algumas dicas da minha experiência pessoal. Não significa que possam funcionar de igual modo consigo. As vezes podem até funcionar melhor, quiça! Ainda sim, não se esqueça, é possível vencer a “arte de deixar para amanhã” É tudo uma questão de estratégia e atitude e depende apenas de si. Se gostou desse artigo e acha que ele pode ser útil a mais alguém partilhe com seus amigos e não esqueça de deixar seus comentários que serão muito bem-vindos :)

NOTA: Tim Hurban realizou um TED daqueles bem pedagógico que deixo abaixo. Vejam que é bastante divertido :)

#procrastinar #produtividade

0 visualização

© 2017 por Saudavel-mente

Todos os direitos reservados 

Site criado pela Wix.com

  • Facebook Clean Grey
  • Instagram Clean Grey