• Ana Carina Nunes

Somos o que comemos! | We are what we eat!


“Somos o que comemos”: a frase é antiga, mas continua a fazer todo o sentido na actualidade. Por motivos variados, nem sempre temos a alimentação mais saudável, com consequências directas na nossa saúde. Muito se tem escrito sobre alimentação saudável mas a dificuldade em encontrar artigos que nos guiem de uma forma credível e consensual, para encontrar o combustível correto a dar ao nosso corpo, nem sempre é uma tarefa fácil. E para mim este tem sido um caminho que tenho feito desde os meus 11 anos.

UM POUCO DE TEORIA...

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define o termo “saúde” como um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doenças. A alimentação surge como um dos fortes pilares, se não o mais importante para a manutenção de um corpo e mente sãos. Afinal de contas, somos o que comemos! Mas os diversos contextos em que estamos inseridos em termos sociais, económicos e culturais limitam as nossas escolhas enquanto indivíduos. Aprender a comer de forma saudável e a escolher os alimentos adequados é essencial!

Todos sabemos que uma alimentação adequada melhora o nosso bem-estar, é a base de uma boa saúde e previne o aparecimento de muitas doenças crónicas e cancerígenas (e infelizmente eu tenho uma má genética portanto tenho mesmo de prevenir em vez de remediar!) Não é novidade que o sistema digestivo é essencial para o bom funcionamento de todo o organismo: é ele o responsável por extrair dos alimentos que consumimos os nutrientes necessários às funções vitais do nosso corpo. Como as células do organismo só conseguem absorver nutrientes simples, aquilo que comemos tem de passar por um processo de simplificação, a digestão. Mas que comemos induz, para além de uma digestão que ocorre ao longo do tubo digestivo, uma digestão celular. Assim o que comemos, e o modo como comemos e preparamos os nossos alimentos, afeta a natureza das células do organismo e o funcionamento dos nossos órgãos. Os nutrientes, que se extraem durante a digestão, apresentam uma função na célula. Logo, se o padrão alimentar reunir uma escolha mais saudável de alimentos, isto é, alimentos de elevada densidade nutricional, estamos a controlar o meio envolvente, como fator na génese de carcinomas.

A CURA....

A comida que ingerimos tem pois um enorme impacto na nossa saúde e bem-estar. A relação entre os hábitos alimentares e a doença está cada vez mais bem documentada. Uma boa alimentação fornece ao organismo nutrientes para produzir ou reparar tecidos, manter o sistema imunitário forte e permite ao corpo executar tarefas diárias com facilidade.

Hoje sabemos que com uma alimentação baseada em alimentos vegetais pouco ou nada processados, com pouca ou nenhuma adição de: açúcar, sal e gordura, conseguimos prevenir e até ajudar no tratamento de doenças crónicas, reduzindo os custos com a saúde pública ou com a doença, mais concretamente. Os custos destas doenças, quase sempre preveníeis, estão a asfixiar o Serviço Nacional de Saúde. Mas o investimento em prevenção é residual.

Já há 2500 anos, Hipócrates, acrescentou ainda, “que o vosso alimento seja o vosso primeiro medicamento”. Porém, numa sociedade onde se vive em contra-relógio, assiste-se a uma situação contrária, no que respeita à alimentação. Atualmente procuramos a alimentação, como substrato energético e, caiu no esquecimento o seu papel nutritivo e preventor. Basta, recordarmos as palavras dos nossos avós, “deves comer espinafres, pois eles te darão força”, “come uma cenoura, que faz os olhos bonitos”, lembram-se?

A CAUSA...

Não sou nutricionista. Sou apenas uma autodidacta que já fez muita pesquisa sobre alimentação saudável e terei todo o prazer em partilhar o regime alimentar que transformou o meu corpo e consequentemente, a minha mente. Apesar de fazer desde muito nova exercício físico, sentia inchaço e dor abdominal constantemente, tinha frequentemente dores de cabeça, os meus intestinos funcionavam mal entre muitos outros sintomas que prefiro não detalhar . E certo dia decidi que não poderia mais continuar assim...no fundo eu sabia que tinha de alterar os meus hábitos alimentares!

A minha abordagem à alimentação é tão funcional como o treino. (falarei sobre a regra dos (80/20 noutro post mais adiante)

Não subestimar o poder do coaching nesta área de MUDANÇA COMPORTAMENTAL. recorrendo a uma variedade de métodos que vos poderão ajudar a:

  • Agir de acordo com os OBJETIVOS estabelecidos/pretendidos

  • MUDAR comportamentos de forma a atingir esses objetivos

  • Ganhar AUTONOMIA nas decisões que toma e confiar naquilo que É CAPAZ de fazer

  • RESPONSABILIZAR-SE pelo que faz e ASSUMIR aquilo a que se compromete

Em breve irei explicar em que consiste a minha atual dieta ou melhor regime alimentar / estilo de vida :)

"We are what we eat": the phrase is old, but it continues to make all the sense at the present time. For various reasons, we do not always have healthier food, with direct consequences on our health. Much has been written about healthy eating but the difficulty in finding articles that guide us in a credible and consensual way, to find the correct fuel to give to our body, is not always an easy task. And for me this has been a path I have been doing since I was 11 years old. A LITTLE THEORY ... The World Health Organization (WHO) defines the term "health" as a state of complete physical, mental and social well-being and not just the absence of disease. Food comes as one of the strong pillars, if not the most important for the maintenance of a healthy body and mind. After all, we are what we eat! But the diverse contexts in which we are inserted in social, economic and cultural terms limit our choices as individuals. Learning how to eat healthily and choosing the right foods is essential! We all know that proper nutrition improves our well-being, is the foundation of good health and prevents the onset of many chronic and cancerous diseases (and unfortunately I have poor genetics so I have to prevent rather than remedy!) It is a novelty that the digestive system is essential for the proper functioning of the whole organism: it is he who is responsible for extracting from the food that we consume the nutrients necessary for the vital functions of our body. As the body's cells can only absorb simple nutrients, what we eat has to go through a process of simplification, digestion. But what we eat induces, in addition to a digestion that occurs along the digestive tract, a cellular digestion. So what we eat, and the way we eat and prepare our food, affects the nature of the body's cells and the functioning of our organs. Nutrients, which are extracted during digestion, have a function in the cell. Therefore, if the food standard brings together a healthier choice of foods, ie foods with a high nutritional density, we are controlling the environment as a factor in the genesis of carcinomas. THE CURE.... The food we eat has therefore a huge impact on our health and well-being. The relationship between eating habits and disease is increasingly well documented. Good nutrition provides the body with nutrients to produce or repair tissues, keep the immune system strong and allow the body to perform daily tasks with ease. Today we know that with a food based on little or nothing processed vegetable foods, with little or no addition of: sugar, salt and fat, we can prevent and even help in the treatment of chronic diseases, reducing the costs to public health or to the disease , more specifically. The costs of these diseases, you almost always prevent, are choking the National Health Service. But investment in prevention is residual. Already 2,500 years ago, Hippocrates, he added, "that your food is your first medicine." However, in a society where you live in a time trial, you have a contrary situation with regard to food. We are currently looking for food, as an energy substrate, and its nutritional and preventor role has been forgotten. Just remember the words of our grandparents, "you must eat spinach, for they will give you strength", "eat a carrot, which makes the eyes beautiful", remember? CAUSE ... I'm not a nutritionist. I am just a self-taught person who has done a lot of research on healthy eating and I will be happy to share the diet that has transformed my body and consequently my mind. Although I had been doing a lot of new exercise, I had swelling and abdominal pain all the time, I often had headaches, my bowels worked poorly among many other symptoms that I would rather not detail. And one day I decided that I could not go on like this ... deep down I knew I had to change my eating habits! My approach to eating is as functional as training. (I'll talk about the 80/20 rule in another post later) Do not underestimate the power of coaching in this area of ​​BEHAVIORAL CHANGE. Using a variety of methods that can help you:

  • Acting in accordance with established / intended OBJECTIVES

  • CHANGE behaviors in order to achieve these goals

  • Gaining AUTONOMY in the decisions you make and trusting in what YOU ARE ABLE to do

  • BE RESPONSIBLE FOR what you do and ASSUME what you commit to

Soon I will explain what my current diet or better diet / lifestyle consists of :)

#somosoquecomemos

0 visualização

© 2017 por Saudavel-mente

Todos os direitos reservados 

Site criado pela Wix.com

  • Facebook Clean Grey
  • Instagram Clean Grey